segunda-feira, março 10, 2008

O paradoxo da abordagem por processos

IMHO uma das maiores “invenções” na área da gestão após 1973 foi a abordagem por processos.
-
É fantástico o poder da abordagem por processos.
-
Uma organização existe para cumprir uma Missão, para transformar entradas em saídas.
-


-
Como é que isso acontece?
-
Como é que se representa o que acontece dentro da organização?
Durante muitos anos a resposta que tivemos foi o organigrama.
-
-
A organização pode ser representada por uma figura que ilustra as relações de poder, as relações hierárquicas numa organização.
-
O organigrama promove uma visão vertical das organizações que facilmente desemboca na cultura dos silos organizacionais.
-
-
A imagem dos silos é eloquente. Torres altas que só comunicam entre si pelo topo, tudo o que está no interior de um silo, ainda que perto do que está no interior de outros silos, está na realidade distante.
-
-
A visão vertical, a gestão funcional, funciona bem num mundo estável, num mundo mais calmo.
-
Contudo, quando o mundo se torna mais instável, quando as organizações precisam de acelerar e responder muito mais rapidamente, para tentar acertar num alvo móvel, então esse modelo mostra as suas lacunas e expõe as suas deficiências.
-
Quando se exige rapidez por um lado, e se cultiva o respeito sagrado pelos trâmites hierárquicos por outro, ocorre algo como a figura ilustra:
-
-
A organização não consegue competir com organizações muito mais achatadas, muito mais horizontais, organizações que em se vez se agruparem em torno de funções, organizam-se em torno das actividades necessárias à transformação das entradas em saídas.
-
-
Quando se adopta a abordagem por processos, opta-se por modelar o funcionamento de uma organização como sendo um sistema. Um sistema composto por um conjunto de processos inter-relacionados e inter-actuantes como se ilustra na figura seguinte:
-
-
Vão por mim, a abordagem por processos é uma ferramenta excepcional!
Quando olhamos para o conteúdo de um processo, vemos actividades concretas, realizadas por pessoas, por funções concretas, “tocamos” a forma como as coisas acontecem na realidade.
-
A re-engenharia, tão em voga no inicio da década de 90 do século passado, passou também por aqui. Depois de décadas e décadas de visão vertical, as organizações precisavam de quem olhasse para o que se passava entre as entradas e as saídas e removesse tudo o que estava a mais.
-
Assim, a abordagem por processos permite-nos fazer este tipo de viagem mental:
9-
Primeiro: A organização como um conjunto de processos interrelacionados e interactuantes;
10-
Segundo: Podemos isolar um qualquer processo, identificar as suas interfaces e fazer um zoom;
11-
Terceiro: Podemos caracterizar um interior de um processo;
12-
E identificar o que se faz, quem faz e o grau de intervenção: atribuições, responsabilidades e autoridades.
Quarto: Podemos, a partir do somatório das actividades desempenhadas por uma função nos vários processos em que participa…
13-
Construir o perfil de competências adequadas ao desempenho dessa função. Não com base em entrevistas inflaccionadoras e subjectivas, mas a partir de uma base mais, muito mais objectiva.
Trata-se de uma trindade formidável:
14-
O todo, a organização como um todo.
Os processos que a constituem, os processos que tratam as entradas e as transformam em saídas.
E as funções, as pessoas que executam as tarefas nos processos.
-
Ou seja, parece que temos o que faltava a Arquimedes, uma alavanca. Não para suportar e mover o mundo, mas para transformar e gerir a nosa organização. Aliás, qualquer organização!
Os processos são onde tudo acontece, where the rubber meets the road.
15-
Mesmo as decisões mais estratosféricas da gestão de topo vão ter de aterrar algures, um dia, num qualquer lugar da organização, senão nunca passarão de palavras, de treta!
Depois, como podemos equacionar para cada processo, qual a sua finalidade, qual a sua razão de ser…
16-
Podemos identificar e sistematizar para cada processo da organização qual a sua finalidade, qual a sua razão de ser, por que é que existem e que indicadores podemos usar para medir o desempenho e avaliar o grau de eficácia no cumprimento da finalidade.
Tudo lógico, tudo racional, tudo …
-
Só que nos deparamos com um paradoxo…
Por mais importante que seja a abordagem por processos, e é! E eu não tenho palavras para explicar a sua importância como ela merece.
-
Os resultados de uma organização não são o resultado do somatório directo dos resulatdos individuais de cada um dos processos que a constituem.
-
Uma organização é um sistema, e um sistema não é linear.
O mais importante são os resultados do todo, da organização, e eles não podem ser obtidos olhando unicamente para os processos, embora seja neles que tenhamos de trabalhar.
-
Se procurarmos optimizar o desempenho de todos os processos… não conseguimos optimizar o desempenho do todo.
O desempenho do todo é o mais importante, e isso implica que alguns processos tenham obrigatoriamente um desempenho inferior.
-
“Processes are important, but our organizations ultimately succed or fail as complete systems. What a shame it would be to win the battle on the process level, only to lose the war at the system level!
Why is the distinction between system and process so important? The answer lies in one of the fundamental assumptions of systems theory: the whole is not equal to the sum of its parts. The assumption that it is originates in a basic algebraic axiom. Unfortunately, however, complex systems are anything but mathematically precise. The improper allocation of this algebraic axiom to the management of organizations would sound like this:
-
If we break down our system into its components, maximize the efficiency of each one, then reassemble the components, we’ll have the most efficient whole system.
-
It’s been said that elegant theories are often slain by ugly, inconvenient facts. That’s the case here. The mathematical, or analytical, approach to system improvement is one of those victims. It’s also been said that “the devil is in the details.” Where complex systems are concerned, those details make up many of the aforementioned ugly, inconvenient facts.”
-
William Dettmer em “The Logical Thinking Process”
-
Confesso, há aqui algo que eu sinto mas não consigo ainda verbalizar em toda a sua extensão.
O todo é o mais importante. Não é possível trabalhar só, ou directamente nos processos, para obter resultados do todo.
É olhando para o todo que se define o que mudar, o que transformar na organização, para aspirar a níveis desejados de desempenho futuro.

-
Depois, quando se pretende concretizar as decisões tomadas, temos de actuar nos processos da organização, temos de modificar práticas do dia-a-dia definidas nos processos. Se não o fizermos, corremos o risco de que as nossas modificações durem o tempo que dura o tema no “prime-time” da organização.
As velhas práticas voltam sempre, têm muita mais força:

-

-
I’ll be back!


Há aqui uma espécie de histerese, se eu trabalhar nos processos para obter resultados do todo - falho.

Mas se partir dos resultados do todo desejados, tenho, mais tarde ou mais cedo de actuar nos processos.












3 comentários:

aranha disse...

:)
Aqui vai a aracno-leitura em versão simplificada (esta simplificação foi o exercício a que me propus depois de ler o post):
O tempo não "congela"... O todo é fotografado e apresenta sintomas a intervencionar ou um potencial a consumar. Concebe-se depois (idealiza-se) uma nova foto, evoluída com as melhorias que pretendemos atingir.
Mas quando vamos para os processos... desapareceu a fotografia inicial (mudou), o tempo não tinha parado, o todo em mutação já ficou diferente do da fotografia.
O sistema não pára, porque os processos não páram, porque o sistema está "vivo", serve uma finalidade, e pede acção (pescadinha??).
Acho que o melhor será aceitar-se um desfasamento, uma margem de impossibilidade na relação ente o todo e as partes. Quanto mais precisa a leitura sobre o todo e quanto mais rápida e adequada a intervenção sobre as partes, maior a coincidência entre fotos (da primeira com a segunda, e da segunda real com a segunda idealizada).

Foto 1 (hoje) -> Foto 2 (amanhã desejado) -> Mudança do todo e das partes -> maior ou menor rapidez de intervenção -> Maior ou menor assertividade na intervenção -> Foto 3 com mais ou menos "semelhanças" com a Foto 2.

Será algo assim? A ligação disto tudo reside na aceitação do desfasamento temporal?...

CCz disse...

Boa, Caro Aranha:

No entanto, os processos não mudam assim tão facilmente. Os processos são construções humanas que se pretendem constantes. Só são alterados por acções humanas deliberadas.

Julgo que o tema passa antes pela afirmação de que um sistema (o todo) é maior do que a soma das partes isoladas, na teoria dos sistemas cham-se a isso a propriedade da emergência. Quando se juntam as partes emerge algo de diferente.

Mais um motivo para combinarmos a tal caminhada com as cervejas do duck!!! Seria um óptimo tema parqa alimentar uma discussão. Talvez ao longo dos campos de arroz de Salreu, ou da praia da Barra...

Anónimo disse...

QUAIS AS VANTAGENS E DESVANTAGENS DE SE TRABALHAR EM PROCESSOS?