domingo, outubro 31, 2010

A teoria não joga com a prática

A propósito desta apresentação "A Indústria Têxtil e Vestuário Portuguesa no quadro da Regeneração Industrial Europeia" do presidente da Associação Têxtil e Vestuário de Portugal (ATP) algumas reflexões.
.
Para aqueles que com dolo ou por ignorância passam a mensagem de que durante a primeira década do século XXI os salários alemães baixaram (os ignorantes ignoram o significado do custo unitário do trabalho), aqui vai:
Interessante perceber que o país onde mais cresceram os custos da mão de obra foi ... Portugal (160%).
.
Uma das ameaças identificadas é "Falta de atractividade do sector para jovens profissionais, que optam por outras actividades". Pois bem, quando a ATP desata a atacar as importações paquistanesas, que mensagem transmite para os potenciais jovens profissionais? Será que o sector aparece como uma aposta de futuro? Será que competir com o Paquistão é atraente?
.
Aqui defendi que o recurso mais escasso que há é o tempo. Quando se gasta o tempo numa coisa, opta-se por não o investir noutra.
.
A ATP conclui que o futuro passa por "OBJECTIVO ESTRATÉGICO 2015: Uma Indústria de Excelência, Dirigida a Nichos de Mercado de Alto Valor Acrescentado" e por "Melhor Emprego - Mais Exportações e de Maior Valor Acrescentado" e, no entanto derrete tempo a combater as importações paquistanesas...
.
Olhando só para a a conjugação das oportunidades e pontos fortes do sector:
Fica claro que o futuro são nichos, é valor acrescentado, é flexibilidade, é proximidade, é inovação... não é o passado... Para isso não são precisas empresas grandes (já que a "Reduzida dimensão das empresas" é vista como uma fraqueza... David combateu Golias, há que apreciar a história e recordar Sun-Tsu "Combater no terreno que nos é mais favorável)
.
Uma das fraquezas do sector que é referida na apresentação é "Baixa produtividade da mão-de-obra"... o que é que isto quer dizer? Treta... a produtividade é sobretudo função do valor do que se produz, e quem faz essa opção é a gestão, não os operários (ver Rosiello). Esta é, para mim, a mais importante descoberta que uma empresa pode fazer acerca da sua capacidade de aumentar a produtividade.
.
A ATP tem uma mensagem nos papéis que não conjuga e converge com a prática e o discurso. Isso significa falta de orientação? Falta de coragem? ... É o mesmo problema que afectou Barroso que não avançou com o prometido choque fiscal...

2 comentários:

Jovem disse...

Embora eu concorde com as particularidades existentes no gráfico SWOT, não mencionaram quaisquer condicionantes de índole macroeconómica, principalmente nas Ameaças e, principalmente, Fraquezas. Em Portugal tais pontos assumem uma importância vital.

CCz disse...

No bloco das "Ameaças" algo que me fez "coceira mental" desde o início foi o facto de não haver nenhuma referência ao comportamento dos clientes. O que pode mudar no comportamento dos consumidores e dos clientes que ameace o futuro do sector?
.
No bloco das "Oportunidades" em vez de "nichos" talvez fizesse mais sentido colocar o que pode mudar no comportamento dos consumidores e dos clientes e que possa ser visto como uma oportunidade para o futuro do sector? Os nichos são uma classificação que agrupa determinados comportamentos. Saber quais são os comportamentos é que permite actuar.
.
No bloco das "Fraquezas" julgo que faria sentido referir a quantidade de empresas que estão dependentes do trabalho subcontratado, a quantidade de empresas com uma tipologia virada para o passado. Basta olhar para os exemplos como a TMG
.
http://balancedscorecard.blogspot.com/2010/08/exemplo-da-diversidade-inter-sectorial.html
.
A TMG era o paradigma da empresa bem gerida, com gestão profissional, ao contrário dos broncos das PMEs
.
http://balancedscorecard.blogspot.com/2008/03/no-preciso-ser-doutor-para-criar.html
.
As pessoas esquecem-se que as estratégias são sempre transientes... bem, tenho de voltar ao trapezista cego