segunda-feira, outubro 25, 2010

Sistemas da qualidade desenhados para destruir o interesse dos gestores a sério

Imaginem uma empresa certificada ISO 9001 há vários anos, com os seus documentos a evidenciarem versões nº10, 7 ou 11, por exemplo.
.
Imaginem o que é olhar para um documento que descreve um processo produtivo. Esse documento inclui os indicadores usados para medir o desempenho do processo. O indicador utilizado tem a ver com a quantidade de defeitos produzidos e detectados.
.
.
.
.
.
.
Olho para o indicador outra vez... baixo o papel e, olhando o horizonte através da janela do escritório, penso nos gerentes que conheço de fábricas semelhantes ao desta empresa.
.
.
.
São pessoas que se preocupam acima de tudo com o indicador "quantidade produzida diariamente" (BTW, tento acrescentar o indicador "euros produzidos diariamente"  a este tipo de empresas - empresas que trabalham para satisfazer encomendas, não para servirem a partir de uma "prateleira")
.
Também se preocupam com o indicador custos, por isso, costumamos introduzir o indicador: produção em quantidade ou euros, a dividir por horas trabalhadas...
.
Por que é que estes indicadores que atraem a mente dos gestores são afastados dos documentos dos sistemas da qualidade com tanta facilidade?~
.
.
Outro exemplo: a empresa tem um documento que descreve o processo manutenção... como se existisse um processo manutenção... o documento não descreve um processo, um processo é fluxo, é caudal! Descreve um conjunto de actividades desenvolvidas pelo departamento da Manutenção:
O indicador usado para este "processo" é
.
.
.
.
.
.
% das horas trabalhadas na Manutenção dedicadas à manutenção preventiva!!!
.
.
.
.
A manutenção preventiva é eficaz?
.
A manutenção preventiva está a ser um bom investimento?
.
Quanto custa?
.
Quanto tempo param as máquinas por causa de avarias?
.
.
.
Nada disto é chamado para medir o desempenho do processo...
.
.
Como é que os gestores podem sentir-se atraídos por sistemas deste tipo? Que informação de gestão recebem de sistemas deste tipo?
.
Mas o maltratar da abordagem por processos não é exclusivo do nosso país.
.
Continua.

5 comentários:

Mário de Sá Peliteiro disse...

Talvez porque muitas vezes o lema seja «Tretas, resultados não!»

CCz disse...

Ora aí está uma palavra que aprecio e uso com frequência "Treta!"

Mário de Sá Peliteiro disse...

Temos que fazer alguma coisa para inverter a situação! Mas o quê?

lookingforjohn disse...

Um aspecto conveniente seria o dos ensinadores saberem alguma coisa do que estão a ensinar (maioria dos consultores que apoiam a implementação de SGQs).
Ou então que fossem mesmo ensinadores, em vez de:
- empacotadores;
- vendedores;
- copiadores;
- indivíduos desprovidos de moral.

lookingforjohn disse...

Claro que ensinar adultos tem vários problemas, como estes dois:
- Eles fazem perguntas;
- Eles podem perguntar e, em função da resposta, mudar de ideias e já não querer o nosso serviço.