quinta-feira, fevereiro 15, 2007

Quando o terreno competitivo muda...

Julgo que no Público da passada segunda-feira, li um artigo sobre a abertura próxima de um centro comercial, algures no Alentejo.
Nele, foi possível encontrar a habitual diatribe do comércio tradicional contra a nova estrutura.

A minha experiência vai contra a ideia de que os centros comerciais roubam clientes ao comércio tradicional. Ou pelo menos, contra a ideia de que os centros comerciais roubam grandes quantidades de clientes ao comércio tradicional.

O comércio tradicional não perde esses clientes simplesmente porque... já os perdeu há algum tempo. Porque não evoluiu, porque não se modernizou, porque não se ajustou a uma nova sociedade. O novo centro comercial é um alvo fácil, um bode expiatório que concentra todas as culpas, todos os ressentimentos acumulados, porque o comerciante não pode culpar o consumidor.

Isto tudo a propósito de uma interessante comunicação que ouvi hoje no Porto, proferida por Jean-Noel Kapferer sobre "Brand Building".

A páginas tantas o senhor Kapferer explicou que: o tremendo sucesso dos hipermercados matou os pequenos retalhistas, o comércio tradicional, criando um autêntico deserto para a compra de proximidade. Não há quem venda mercearia, e não só, próximo do local onde as pessoas trabalham, ou vivem.

Perante esse vácuo... apareceram as "hard discount stores (HDS)". Qual o critério de escolha de HDS pelos consumidores?
1ª razão - Preço
2ª razão - Proximidade
3ª razão - Prática

Assim, em vez de invectivar contra o vento, porque os consumidores vão ao centro comercial de livre vontade, o comércio tradicional devia procurar nichos de mercado, razões, para ultrapassar este desafio, e criar um novo modelo de negócio.

2 comentários:

aranha disse...

Em Agosto de 2005 paguei 1,20 Euros por uma Bola de Berlim (240 Escudos!) e 1,00 Euro por um pão de tamanho normal com meia dúzia de sementes (200 Escudos!) numa padaria em São Martinho do Porto. O dono do sitio estava atrás do balcão à conversa com um cliente e queixava-se da ameaça nefasta e indecente dos centros comerciais...

CCz disse...

Exactamente, dos meus tempos de bird watcher amador, recordo-me:

Agosto de 1986.
Localidade: Beirã (Alto-Alentejo)

Uma mercearia vendeu-me um pacote de leite achocolatado Agros (200 ml) por 32$50. Só há poucos anos é que este preço foi ultrapassado nas grandes superfícies. Durante anos e anos, servia-me de referencial comparativo