quarta-feira, outubro 14, 2015

"um atestado de desconhecimento da realidade"

Ontem à noite vi uma parte do programa "Números do Dinheiro" na nova RTP3.
.
Recomendo a visualização do programa entre os minutos 17 e 18 aqui, para ver como um teórico envia levianamente para o caixote do lixo a importância das exportações portuguesas.
.
Como é que o investigador Ricardo Mamede, doutorado em Economia, explica o sucesso das exportações portuguesas?
"Como é que se resolve o desafio das exportações?
Baixam-se os preços e os salários"
Por duas vezes o doutorado afirma que as exportações são feitas à custa da redução dos preços e salários. Outro encalhado que aprendeu as regras da competição no século XX e que ficará agarrado a elas até ao fim da vida, contaminando muitos outros pelo caminho.
.
Este anónimo da província não pode estar mais em desacordo, por exemplo, em Setembro último escrevi:
"As empresas nacionais têm de continuar a apostar nas exportações mas não por causa da baixa procura interna.
.
O nível de vida em Portugal não é alto. Por isso, os portugueses optam por comprar bens transaccionáveis baratos. Esses bens entram em Portugal, importados da Ásia a preços muito baixos, e levam a melhor sobre o "Made in Portugal". Por exemplo, Portugal exporta sapatos caros e importa sapatos asiáticos para consumo interno. Portugal exporta mobiliário caro e importa mobiliário asiático para consumo interno."
É um atestado de desconhecimento da realidade, sistematicamente as empresas portuguesas não conseguem competir, têm dificuldades em competir no mercado interno com os concorrentes asiáticos ou do leste europeu que conseguem colocar aqui produtos muito mais baratos. Recomendo ao doutorado que compare:

  • preço médio das exportações de calçado com o preço médio das importações de calçado;
  • preço médio das exportações de vestuário com o preço médio das importações de vestuário;
  • preço médio das exportações de mobiliário com o preço médio das importações de mobiliário;
  • ...

Entretanto, depois de ouvir Paes Mamede tive a resposta à pergunta encerrada na aparente contradição que referi aqui
"Já repararam que os mais sonoros defensores de que o futuro da economia portuguesa não passa por salários baixos, são os mais sonoros defensores da saída de Portugal do euro.
.
Por que será?"
Porque querem "proíbir" sem proíbir as importações e estão-se a marimbar para as exportações. Querem fechar o país.
.

1 comentário:

Bruno Fonseca disse...

de rir ouvir hoje a Helena Garrido a falar.
disse que, basicamente, os portugueses têm baixa produtividade apesar de trabalharem imenso, porque quase "distraiam-se" com tantas horas.

deu o caso de França vs USA, onde nos USA trabalhavam mais horas mas com uma produtividade menor que os franceses, e portanto, grosso modo, a solução seria os portugueses trabalharem menos horas mas mais focados.

questões como o tipo de produtos fabricados, preços, tecnologia, tudo isso passou ao lado.

como é possível? ainda para mais quando falamos de alguém que é directora de um jornal económico?