domingo, maio 22, 2011

Reflexões sobre a evolução das marcas

Chego ao cruzamento, não tenho prioridade, páro.
.
Olho para a esquerda para ver se vem lá alguém.
.
Sim, um carro preto. Pela grelha verifico que é um Volvo.
.
Espero, aproxima-se, passa por mim...
.
Fico a pensar, isto é um Volvo?!?!!
.
Ponho o carro em marcha e coloco-me atrás do Volvo, não sou um expert em carros, nunca comprei uma revista sobre automóveis, e descubro que o modelo se chama XC60:
E pensei, olha a Volvo também produz Hummers:
Cerca de 600 metros à frente, viro à direita e entro numa recta, aí a minha mente começa a subir na escala de abstracção e a interrogar-se.
.
Será que faz sentido uma marca como a Volvo desenhar modelos como este XC60?
.
Não estou contra o XC60, estou a pensar é se aquele modelo faz sentido na imagem, no modelo mental que a Volvo construiu na minha mente ao longo dos anos.
.
O modelo até pode ser um sucesso de vendas para a Volvo, mas não contribuirá para desfocar, para descaracterizar a imagem que guardamos mentalmente da marca?
.
Aranha, please help me!!!

1 comentário:

António Queirós disse...

cada vez mais, todos diferentes, todos iguais.
a segmentação distintiva das marcas e dos produtos, acabou.
vivemos uma época de ondas, tsunamicas.
quem não tiver ou for igual ao vizinho do lado, pertence a história.