sexta-feira, maio 30, 2008

E isto não é uma bolha?

Tirando a identidade do promotor, em que é que isto difere de uma economia de bolha?
.
"Em Junho do ano passado, as maiores construtoras e os maiores bancos portugueses reuniram em segredo, num sábado à tarde, com o primeiro-ministro José Sócrates. Na agenda, um ponto único: dinamizar o mercado das obras públicas, que encolhia há seis anos consecutivos e cuja produção estava a cair 24% anualmente. O défice não era problema – os mercados financeiros nunca tinham estado tão bons e o que não faltava eram fundos de infraestruturas esganados por bons projectos para investir.
.
O Governo ouviu e cumpriu a sua parte. Em apenas um ano foram lançados 26 concursos públicos para a construção e/ou concessão de auto-estradas, ferrovias barragens ou hospitais. No total, falamos de 7,1 mil milhões de euros de investimento. A estes juntam-se ainda os concursos para as centrais de biomassa, dos quais já foram adjudicados 13 lotes, as 26 obras portuárias já contratadas, num valor de 15 milhões de euros, o aeroporto de Beja e as obras no aeroporto da Portela. No seu conjunto estão previstos, nos próximos oito a dez anos, investimentos de perto de 50 mil milhões de euros, que incluem o novo aeroporto e o TGV. O que significa que nos próximos anos ainda serão lançados muitos concursos, como por exemplo o do TGV, que será lançado a 2 de Junho. Hoje, as construtoras não têm mãos a medir para cumprir o seu lado do acordo"
.
No Diário Económico de hoje.

1 comentário:

Voluntária Angolana disse...

Engenheiro, isto é uma bolha, mas daquelas que se fazem por caminhar muito, em mau terreno e com calçado novo ou pouco confortável. Que chateia que se farta, precisamos de ter um cuidado danado para não a rebentar de qualquer maneira e ainda por cima tem um ar inocente. Mas, se não soubermos lidar com ela, o desconforto é cada vez maior e faz ferida. A política (não me atrevo a ofender a verdadeira Política usando maiúscula)é a única coisa em que acho que Deus não mete a colher. Nem Ele se atreve...
Mas não deixa de ser curioso que o governo esteja tão ocupado a providenciar coisas para sairmos do país: auto-estradas, aeroporto, TVG. É só preciso saber ler os sinais. Bem, fico por aqui, que este é um espaço de gente séria e não um alpendre em jardim familiar onde se trocam galhardetes. O que só prova também que a cabeça continua a trabalhar, ainda que os parafusos estejam no pé. Da sua incondicional admiradora, Voluntária Angolana