segunda-feira, outubro 19, 2009

Por favor avisem-me!!!

I mean it!
.
Agradece-se a alguém que saiba da próxima conferência ou workshop que o Dr. Carvalho da Silva vai dar sobre gestão estratégica de empresas o favor de me comunicar, tenho todo o interesse em participar para aprender.
.
""Qualquer estratégia empresarial sólida suporta um aumento salarial de 80 cêntimos por dia""
.
Tenho inveja, confesso, tenho inveja genuína das pessoas que não têm dúvidas, que sabem as respostas a todos os desafios. Será esta a melhor altura para acelerar o encerramento de empresas sem uma estratégia empresarial sólida?

1 comentário:

JMG disse...

Quando se vê na televisão uma reportagem sobre mais uma falência, é fatal como o destino aparecer um trabalhador ou um sindicalista a declarar que havia encomendas. E numa qualquer mesa-redonda sobre a competitividade do País há em geral consenso quanto à “indiscutível” falta de capacidade e performance dos empresários e gestores portugueses (os das PME’s; os das grandes estão ao abrigo destas objurgatórias): o sindicalista de serviço porque acha que a reivindicatite permanente se justifica por os patrões se apropriarem de uma parte excessiva das mais valias, além de, se for comunista, defender uma sociedade alternativa; o economista de serviço porque a maioria dos empresários não pertence incompreensìvelmente a essa seita de iluminados; o intelectual (sociólogo ou historiador, de preferência) porque acha que há um défice de empreendedorismo e amor ao risco no empresariado português, por razões culturais; e consultores de todas as especialidades porque os empresários não recorrem, na medida do que deviam, aos seus preciosos serviços deles. Eu, que não acho nada disto mas que nem me canso a expôr o meu ultra-minoritário ponto de vista, tenho uma perplexidade: Porque razão os Carvalhos da Silva não salvam, ao menos para exemplo, uma dessas numerosas empresas que vão à falência por má gestão? Dinheiro não falta: só o que desperdiçam em quotas que os trabalhadores não sindicalizados deixam de pagar vale uma fortuna. Qualidade de gestão também não: as universidades despejam fornadas de gestores todos os anos. E consultadoria também não faltará. Ora aqui está uma humilde sugestão. Declaração de interesses: sou ou fui sócio-gerente de 11 PME’s; nenhuma destas empresas teve ou tem um desempenho exaltante; nenhuma, enquanto lá estive, faliu ou esteve em risco de falir.