terça-feira, março 31, 2009

Deboche despesista

"As medidas de combate à crise introduzidas pelo Executivo de José Sócrates ameaçam colocar o rácio da dívida pública portuguesa em 85,9% do PIB em 2010, contra os 70,7% registados no ano passado, estima a OCDE no relatório interino divulgado hoje."
.
Não se passa nada!!!
.
"Dívida pública portuguesa pode atingir 85,9% do PIB em 2009"

Produtividade (parte II - ainda nos preliminares)

Na sequência de: Produtividade (parte I)
.
Por que é que os portugueses que trabalham em empresas alemãs a operar em Portugal têm produtividades superiores às das empresas congéneres a operar na Alemanha?
.
Por que é que um trabalhador com a antiga 4ª classe, quando a sua fábrica têxtil no Vale do Ave fecha e ele decide emigrar para a Alemanha, dá um salto brutal na sua produtividade pessoal?
.
Continua.

Migração de valor e o poder das marcas

"A test for brand loyalty"
.
"As US shoppers cut back, companies that ex­pect consumers to pay a premium for a brand, service or experience are weighing what constitutes “value” for their customers.
.
“Today, for the first time in a long time, we are seeing brands being assaulted by trends,” says Pat Conroy, leader of Deloitte & Touche USA’s consumer products practice. “And one of those trends is frugality and value.”
...
"found a broad shift to lower-cost shops, with an increase in the number of people in the survey’s highest income brackets saying they would use coupons and buy more own-label products.
.
But Bob Gillmett of TNS says the Shopper360 survey also showed that “value means different things to different people” and that “not everyone is just buying on price”. "
...
"In household goods, for instance, TNS’s survey showed that people with household in­comes above $100,000 – who can easily afford their regular brand – are clearly opting for the lower-priced own-label equivalent. “I think there is a tipping point in that there is much more scrutiny now about whether the price difference is commensurate with the difference in performance...and in some cases you can go back and cross-examine that, and say it really isn’t,” says Mr Conroy. “The real pressure companies are going to face is: how do I differentiate my product to prove to my customer that it is ‘better’?” "
.

O poder da comunicação

Recentemente numa empresa, quando se falava da importância da comunicação, um dos presentes contou uma estória pessoal que julgo ilustrar bem a relevância do tema.
.
Vou tentar ser fiel ao relato:
.
"Depois de acabar o curso fui fazer a recruta em Mafra.
Durante a recruta uma das coisas que me surpreendia e não conseguia explicar tinha a ver com os exercícios de corrida.
.
Nós, os recrutas, tinhamos entre 23 e 25 anos, e corriamos atrás de um instrutor, um capitão com 35/36 anos.
.
No final de cada corrida, nós acabávamos derreados a arrebentar de cansaço e o instrutor acabava fresco como uma alface. Não conseguia perceber como é que isso era possível, até que ... passei a ser instrutor.
.
Como instrutor chegava ao fim da corrida fresco como uma alface enquanto que os recrutas acabam a corrida estourados.
.
Como instrutor eu podia gerir o meu esforço, sabia que podia acelerar quando quisésse, que até podia parar se assim o entendesse.
.
Os recrutas, mantidos na ignorância, sujeitos às ordens dadas em cada momento, sem poderem gerir o seu esforço acabavam como acabavam."
.
E se agora fizermos o paralelismo para as empresas...
.
Quando os colaboradores de uma organização navegam à vista, ainda que a empresa possa ter uma estratégia, quando a comunicação não se faz e a informação não circula... chegam ao final do dia, do mês, ou do ano como os recrutas.

segunda-feira, março 30, 2009

Chamem-me bruxo!!!

A 2 de Janeiro escrevi Somos todos alemães:
.
"Desejando o melhor para os nossos amigos eslovacos, espero que os seus políticos e empresários já tenham descoberto o que me demorou cinco anos a perceber.
.
Um país que adere ao euro torna-se ... numa nova Alemanha.
.
Um país que acorda com uma moeda forte a circular dentro de si, deixa de ser um país que pode assentar a defesa da sua economia na desvalorização 'política' dessa moeda."
.
Pois bem:
.
"Moody's Investors Service have last Friday cut their outlook on Slovakia’s government bonds rating "
...
"Moody's justify their decision on the grounds that future investment in Slovakia is at risk due to a combination of factors: the recession in the euro-region, the country’s dependence on the car industry and its falling competitiveness compared with other eastern European nations, many of whose currencies have fallen sharply during the crisis. In fact the Slovak Finance Ministry forecast only last Friday that foreign direct investment into Slovakia will be much lower this year than originally expected - with the Minister stating he expected a decline in FDI to 0.6 percent of gross domestic product in 2009, compared with a 2.7 percent forecast before the economic and financial crisis hit the country. The worrying thing for me about all this, is not the immediate short term pressure which Slovakia will undoubtedly be under due to the regional crisis, but rather the loss of competitiveness issue, becuase it is ringing bells in my head about what previously happened in the case of Portugal (see my lengthy post on this here).
.
The danger is that eurozone membership gets to be seen as a target you strive to achieve, and then relax into once it has been attained. The Southern Europe experience generally is not encouraging in this regard, and as they are finding out now, the hardest work begins after adopting the euro, since there is no currency left to devalue should loss of competitiveness prove severe."
.
Não, não sou bruxo, está tudo escrito nas estrelas.
.
E os ignorantes e desonestos que não nos falam olhos nos olhos sopbre o que está em causa ...

Trechos de Edward Hugh

O que é que os portugueses vêem e os outros não?

"Confiança de empresários e consumidores caiu para novo mínimo em Março, mas melhorou em Portugal "
.
Enquanto a música da orquestra do Titanic continuar a tocar ... enganam-se uns tolos:
.
"O ISE calculado por Bruxelas para Portugal estabeleceu em 66,5 pontos contra 61,2 no mês anterior, beneficiando de uma melhoria do sentimento na indústria, no consumo, no retalho e na construção, enquanto os serviços estabilizavam."

ADENDA: Volcker é um ignorante Paul Volcker: Crisis May be Even Worse than Great Depression
.
Depois das eleições, as moscas que estão a ser adormecidas vão irromper pela realidade e vai haver pranto e ranger de dentes (Acordar as moscas que estão a dormir (parte XII))

Produtividade (parte I)

Evolução da facturação anual do sector do calçado em euros por trabalhador.
.
Um aumento de 257%!!!
.
Como é que isto aconteceu?
.
Continua

A imagem da formação profissional

Peres Metelo escreve no DN:
.
"Com os tempos de paragem produtiva, faz sentido que os dinheiros públicos apoiem a aquisição de novos conhecimentos que se antecipem necessários na fase de retoma económica."
.
Alguém sabe quais são os temas que fazem parte destas acções de formação? Ninguém tem curiosidade em saber quais os programas destas acções de formação? Ninguém tem curiosidade em saber como se identificam as necessidades de formação? Ninguém tem curiosidade em saber como se definem os objectivos destas acções de formação?
.
BTW, um efeito colateral de tudo isto será a descida da consideração que as empresas têm pela formação profissional. Formação profissional será cada vez mais associada a artifício para encher pneus.
.

Nichos e estratégia na agricultura

"Morangos de luxo escapam à crise"
.
"No Algarve, os morangos que nascem, não na terra, mas em prateleiras com água, escapam à crise económica mundial, porque os agricultores vendem toda a produção ao Norte da Europa"
.
Nichos, nichos, nichos. Combater no terreno onde se tem vantagem!!

domingo, março 29, 2009

Mais uma peça de dominó que cai...

... aqui ao lado são as Cajas que começam a rebentar:
.
"El Banco de España interviene Caja Castilla-La Mancha"
.
"El Gobierno ha convocado para las 18 horas de hoy un Consejo de Ministros extraordinario para tratar la intervención de la Caja Castilla-La Mancha (CCM); el Ejecutivo aprobará un Decreto Ley para inyectar capital en CCM y sustituir a su consejo de Administración en virtud del acuerdo tomado ayer sábado por el Banco de España, según ha podido saber EL PAÍS."
...
"Caja Castilla-La Mancha contaba con créditos concedidos por importe de 19.536 millones de euros a cierre de 2008 y con depósitos de clientes por valor de 17.265 millones de euros, que están garantizados por el Fondo de Garantía de Depósitos, hasta un límite de 100.000 euros por cliente."

Winners 2008: The 50th Annual McKinsey Awards: Recognizing Excellence in Management Thinking

Primeiro lugar para "Can You Say What Your Strategy Is?" publicado pela HBR em Abril de 2008 com o nosso comentário aqui: Rápido, em 35 palavras: Qual a estratégia da sua organização?
.
Também em primeiro lugar "When Growth Stalls" publicado pela HBR em Março de 2008 com o nosso comentário aqui: When Growth Stalls
.
Segundo lugar para "Reinventing Your Business Model" publicado pela HBR em Dezembro de 2008 com o nosso comentário aqui: Re-equacionar modelos de negócio

A força da micro-economia

"Global heroes" a special report on entrepreneurship da revista The Economist:
.
"Back in 1942 Joseph Schumpeter gave warning that the bureaucratisation of capitalism was killing the spirit of entrepreneurship. Instead of risking the turmoil of “creative destruction”, Keynesian economists, working hand in glove with big business and big government, claimed to be able to provide orderly prosperity. But perspectives have changed in the intervening decades, and Schumpeter’s entrepreneurs are once again roaming the globe."

Titanic

João Duque, lúcido, claro, transparente, como sempre "O Titanic" no Diário Económico de 26 de Março:
.
"Quarto, com esta desproporção entre o custo do capital na Europa, a recuperação da economia vai fazer-se a ritmos diferentes. O desenvolvimento pode tender a concentrar-se "lá" e a deixar de se fazer "cá".
.
Quinto, quanto mais as empresas sofrerem este desfasamento entre o custo do capital em Portugal e o dos países mais fortes da União Europeia, menos riqueza gerarão e menos lucro e emprego conservarão. A base de tributação (impostos sobre o rendimento ou sobre lucros) reduzir-se-á.
.
Sexto, quanto mais a base de tributação se reduz mais o Estado português tenderá a endividar-se para manter o mesmo nível de actividade de investimento ou de actividade social (a qual tem tendência a agravar-se pelo preocupante envelhecimento da sociedade portuguesa), aumentando ainda mais o risco do país e o custo do capital.
.
Sétimo. Entraremos por esta via numa espiral de definhamento nacional. Os jovens irão partir porque é "lá" que haverá emprego e riqueza e os velhos ficarão por "cá" com menos para se sustentarem...
.
Remédio? Ou tomam juízo no destino a dar ao dinheiro público ou então, "Que toque a fanfarra, cambada!"

sábado, março 28, 2009

A injecção de dinheiro e a via espartana

Diz Angela Merkel "Injecção excessiva de dinheiro pode criar uma retoma económica não durável" (no Público)
.
"A chanceler alemã Angela Merkel afirmou hoje, numa entrevista ao jornal "Financial Times", que a injecção de demasiado dinheiro para relançamento da economia mundial pode provocar o risco de criar uma retoma não durável."
.
Ou seja:
.
"É então que os governos decidem, à beira de um ataque de pânico apoiar as empresas, tentando salvar os postos de trabalho na política. O espectro da desordem grega paira sobre o asilo europeu
...
Só que, por mais apoios que as empresas recebam... as empresas só fazem sentido se tiverem clientes.
.
Como toda a gente sabe que está tudo a ser suportado por apoios artificiais a confiança não regressa, continua tudo na retranca. Ao minimo abrandar dos apoios e subsídios voltará tudo ao descalabro do desemprego pois a confiança de quem consome é a base da sustentabilidade do sistema."

Tom Asacker

"What do I want my customers to think about themselves and their decisions in my presence - by incorporating me into their lives?"
...
"I encourage you to remember that customers really don't care about your story."
.
So may I then suggest that the best way to get them to care about you is to NOT care about your story. It's irrelevant to them, as noted above.
.
Rather, the best way is to empower them with unique and valuable experiences, activities, tools, etc. Ones that will help them bring their stories - the ones about themselves - to life.
.
It's a difficult concept for many, and is summed up nicely in this quote from Brian Phipps: "Brands that can, do. Brands that can’t, tell stories."

Sumo para reflexão

Steve Yastrow apresenta algumas interessantes pistas para reflexão durante esta agitação das placas tectónicas da economia.
.
O homem que me despertou para a importância e urgência do tema recalibração já vai na Parte IV

Definitivamente outro mundo

"George Soros: Britain may have to seek IMF rescue"
.
"Mr Soros – speaking days after an auction of government bonds failed for the first time in 14 years, ringing alarm bells about Britain’s ability to fund its growing debts – said that Gordon Brown might have to go begging for billions of pounds in international aid. He also warned that next week’s G20 summit in London was the last chance to avert a full-scale depression that could prove worse than that in the 1930s. "

Sinal dos tempos

Extracto de e-mail recebido esta noite:
.
"Boa tarde
.
Venho informar que a partir de Abril vou abraçar um novo desafio profissional noutra organização... e noutro país.
.
Foi um privilégio conhecer-vos e ter participado no projecto ..."

sexta-feira, março 27, 2009

Pilriteiro

Durante anos tentei em vão semear um pilriteiro (Crataegus monogyna) no meu jardim.
.
Há 3/4 anos finalmente consegui que uma das minhas tentativas pegasse.
.
Este ano, pela primeira vez começaram a dar flor.



Quando se mistura catequese com economia...

... dá isto E depois do mercado.
.
O João Miranda só peca pela generalização que faz Portugal tem baixa produtividade, Portugal é um país e os países não produzem. Quem produz são as empresas e as empresas são todas diferentes. Os comentários ao postal de JM fazem-me lembrar este gráfico de Frasquilho.
.
Tanto considero absurdas as palavras de Alegre (que quer que se aumentem os salários para salvar o comércio) como as de Silva Lopes, Ferraz da Costa, Daniel Amaral ou Nogueira Leite (que querem que os salários desçam para aumentar a competitividade da economia).
.
Por que não deixam a economia funcionar? Por que não deixam falir as empresas que não são capazes de dar a volta? Por que não se voltam para a redução do cuco-mor?

Segundo acto - O que prevê Ram Charan

Continuado daqui.
.
No Semanário Económico do passado dia 21 de Março pode ler-se, como título de uma entrevista:
.
"Todas as empresas vão ser mais pequenas em 2010"
.
"P - O conceito de "smal is beautiful" sairá reforçado depois da crise?
RC - As companhias já estão a tornar-se mais pequenas neste momento.
P - Estarão?
RC - Todas as empresas serão mais pequenas no ano 2010. E haverá sempre espaço para nascerem pequenas empresas."
.
Pois bem, o que se lê como principal título na capa do Diário Económico da passada segunda-feira?
.
"Governo tenta salvar fornecedores da Autoeuropa"
.
Pois bem, o que se lê como principal título na capa do Diário Económico da passada terça-feira?
.
"Plano anti-crise nos têxteis vale 850 milhões"
.
Ontem foi o plano para a indústria da cortiça.
.
Será que alguém lê estes artigos?

Por exemplo:
.
"With respect to productivity, we found that the productivity of entering firms is higher than that of exiting firms. Our decomposition of industry productivity growth also shows that external restructuring has its largest share in economic slowdowns, while internal restructuring makes its largest contribution in economic upturns."
...
"
Aside the fact that 10 years is perhaps too short a period to draw definitive conclusions about the impact of restructuring – internal and external – on productivity growth, especially in relation with the economic cycle, there is clear evidence in favour of the hypothesis that cleansing is countercyclical, while active learning seems to be procyclical, two findings in line with our priors.
.
Under our assumptions, it is surprising though to find that countercyclicality of passive learning, a result that we are tempted to allocate to the “scars” of the first sub-period recession and to what seems to be the lack of sufficient firm competition in the Portuguese manufacturing sector, especially in good times."
.
Enfim, aprendizes de feiticeiro armados em Grandes Planeadores

quinta-feira, março 26, 2009

Qual é a diferença?

Entre um pivot de televisão mum canal de notícias e um actor?
.
Acabo de ouver a entrevista do ministro da Agricultura na RTP-N ... por que é que um pivot de televisão se limita a fazer perguntas superficiais que apenas fazem eco do que se ouve nas manifestações da rua (descurando a tradição do campo contra o mau-olhado, ver abaixo)?
.
OK, o pivot não é obrigado a saber tudo... mas não devia ter uma equipa de jornalistas nos bastidores a prepararem-lhe as entrevistas?
.
A entrevista serviu para aumentar a minha simpatia pelo ministro, que julgo ser dos poucos, ao longo dos anos e em vários governos, a ter pensamento estratégico e a não ter receio de dizer não.
.
.
.
"Ao longo do trajecto o carro de Magascià encontrou uma família de camponeses: marido, mulher e filho, todos sobre o mesmo burro.
A mulher, com o seio descoberto, amamentava o filho.
- Que tal vão as colheitas? - perguntou Magascià ao homem do burro.
- Mal - respondeu aquele.
Magascià segredou ao ouvido do padre:
- Aquele espera uma boa safra.
- Porque mentiu então?
- Para não ser vítima da inveja - respondeu Magascià"
.
in "Vinho e pão" de Ignazio Silone,

Já estou instalado e aguardo...

A propósito desta notícia "Qimonda apresentou pedido de insolvência e vai tentar viabilização" encontrei esta outra "Qimonda: Pinho quer recuperar apoios até ao último tostão" onde se pode ler:
.
"O ministro da Economia já esperava o processo de insolvência com que a Qimonda avançou esta quinta-feira e garante que o Estado vai tentar recuperar os apoios financeiros dados à empresa"
.
Já montei o meu estaminé, já estou numa posição confortável aguardando saber "até ao último tostão" quantos milhões de euros foram encaminhados para captar e manter no país o maior importador nacional.
.
Estou mesmo cheio de curiosidade para saber até "ao último tostão" de quantos milhões estamos a falar.
.
Aguardo pois ...

ADENDA: Penoso demais para aguentar ouver Pedro Adão e Silva na RTP-N discorrendo e discorrendo e discorrendo sobre a Qimonda. Aconselha-se Pedro Adão e Silva a documentar-se melhor, basta ler esta fonte anterior ao choque de Agosto de 2007 Qimonda Reports Third Quarter Results of Financial Year 2007... mas documentar-se para quê, o pivot também não se prepara e engole tudo o que lhe dizem...
.

Mentes livres de mapas cognitivos castradores


Muitas vezes, na minha interacção nas empresas, uso uma imagem para ilustrar a necessidade de criar distanciamento para formular o pensamento estratégico. Recorro à figura da mente abandonar o corpo, por momentos, para pairar sobre a paisagem competitiva e, longe da pressão do dia-a-dia, encadear os acontecimentos sob uma outra luz.
.
Há dias, no artigo “Understanding and breaking the rules of business: Toward a systematic four-step process” de Dodo zu Knyphausen-Aufsess, Nils Bickhoff e Thomas Bieger publicado em Business Horizons (2006) 49, 369-377, encontrei uma referência à definição que Bertold Brecht atribuía à palavra alienação: “Bertold Brecht introduced the notion of alienation, which contends that new insights cannot emerge if we identify too closely with a subject or issue; therefore, we need to distance ourselves from it and shed light on interrelationships from a different angle in order to make progress.”
.
É isto que eu procuro transmitir, fugir às grilhetas e ao jugo da pressão quotidiana que nos pode trazer de olhos virados para o chão em vez de virados para a frente e muito lá à frente. Pois, como escrevem os autores no artigo acima referido:
.
“We live within paradigms, and it takes tremendous energy to break out of those paradigms and redraw cognitive maps.”
.
Escrevo isto, por que na passada segunda-feira, durante uma viagem de comboio, tive oportunidade de ler na revista Outlook do Semanário Económico de Sábado 21 de Março o texto intitulado “Este é o azeite”
.
“Andreas Bernhard é suíço, está em Portugal há 15 anos e nunca tinha prestado muita atenção aos olivais do Alentejo. Faz sentido: também não vivia ali. Começou por instalar-se no Algarve, na zona de Castro Marim, onde viveu sete anos. Procurou um lugar para começar uma vida nova e encontrou, à saída de uma pequena aldeia chamada Santa Iria, uma herdade. “Encontrei um paraíso olivícola”, pensou. Para decidir a seguir: “É mesmo isto que vou fazer.” Este “isto” não era ainda o melhor azeite biológico do mundo, mas uma produção que apostasse no acompanhamento permanente do olival, que respeitasse árvores centenárias e que conseguisse competir com a concorrência dos grandes azeites italianos.
.
Este azeite competiu e ganhou. O Risca Grande Virgem Extra venceu o primeiro prémio do Concurso de Azeites Biológicos da BIOFACH 2009 em Nuremberga, na Alemanha.”
.
Um suíço?!
.
E agora a cereja em cima do bolo, voltemos ao texto de Ângela Marques no jornal:
.
“Para Andreas, o facto de nunca antes ter trabalhado com azeite é uma vantagem. “Chegar a um ramo completamente novo é uma vantagem. Informamo-nos mais, queremos saber como é que os espanhóis fazem, como é que os italianos fazem, como é que os outros fazem, e depois decidimos como é que nós queremos fazer, encontrando uma maneira diferente de fazer”, explica.”
.
Estes momentos de crise, são também momentos em que gente que já não tem nada a perder, depois de perder quase tudo, se lança em novos empreendimentos, libertos de mapas cognitivos gastos, carregados de regras castradoras obsoletas que se seguem por que foi sempre assim que se fez. Essa gente nova, não de idade necessariamente, introduzirá os choques epistemológicos que precisamos para dar saltos de produtividade à custa da criação de mais valor.
.
E quanto mais se defender o passado e os incumbentes enquistados, mais se dificultará a transição, after all:
.
"It is widely believed that restructuring has boosted productivity by displacing low-skilled workers and creating jobs for the high skilled."Mas, e como isto é profundo:"In essence, creative destruction means that low productivity plants are displaced by high productivity plants." Por favor voltar a trás e reler esta última afirmação.”

Os canários ...

... são úteis por que vão à frente e alertam para o que pode acontecer-nos mais tarde.
.
"City alarm as Treasury fails to sell Government gilts"
.
"Fears are growing on the financial markets that Britain may not be able to repay the billions of pounds in debt it is amassing to rescue banks and revive the economy.
The Government admitted yesterday that, for the first time since 1995, investors had been unwilling to buy the full complement of its so-called gilt-edged bonds at one of its official auctions"
.
Quando são precisos 48 milhões de euros por dia emprestados para manter cá o Titanic a flutuar...
.
"Mouse droppings found in hospital operating theatre"
.
"They showed me photographs of mouse holes, mouse droppings in the operating theatre, blood smeared in wards."
.

quarta-feira, março 25, 2009

Bem vindos ao clube!!!

A SIC Notícias esta noite está alarmada, só agora é que descobriu o que é que está a acontecer: A caminho da Sildávia do Ocidente

Primeiro acto - O que sentem os fabricantes de automóveis

"Renault espera “crise longa” até 2011"
.
"A Renault vai conhecer uma "crise longa" que se poderá estender até 2010 ou mesmo 2011, declarou hoje o director-geral delegado Patrick Pelata, que confirmou ainda uma redução de nove mil funcionários no quadro de pessoal da empresa para o decurso deste ano.
.
O grupo deve "preparar-se para que a situação actual, de uma baixa dos mercados da ordem de 20 a 25 por cento, possa durar ainda todo o ano de 2009, todo o ano de 2010 e talvez todo o ano de 2011", declarou Pelata."
.
Não esquecer que o número um da Ford na Alemanha descobriu que na Europa existe capacidade instalada para produzir mais 27 milhões de automóveis do que aqueles que os europeus são capazes de consumir.
.
Segunda parte - O que sente Charan (continua)

Como é que foi?

Como é que foi justificada a baixa do IVA de 21 para 2o% no final do primeiro semestre de 2008?
.
A casa estava arrumada!?
.
"Falências de empresas subiram 51 por cento no primeiro semestre de 2008"
.

Porquê? Que inveja!!!

Por que é que desde 1974 nunca tivemos um governador do banco de Portugal que dissesse, alto e bom som, coisas destas?
.
"Mervyn King warns Gordon Brown to stop spending"
.
"The Governor of the Bank of England laid bare tensions between Gordon Brown and the Treasury yesterday by warning that Britain could not afford a second economic stimulus in the Budget.
.
Mervyn King threw caution to the wind as he sided with Alistair Darling and the CBI against Downing Street in raising strong doubts over any prospect of another round of “significant fiscal expansion” next month.
.
Mr King spoke as the Prime Minister, beginning an international tour to co-ordinate measures for next week’s G20 gathering in London, called on leaders to do “whatever it takes to create growth and the jobs we need”. "

Para reflexão

"people go mad in crowds, and return to their sanity one by one,"
.
Retirado deste blogue obrigatório Debtdeflation
.
Hoje, traz uma diatribe contra a Economia Neoclássica e a sua mania do equilibrio. Apreciei sobretudo este apontamento (à tia de Cascais):
.
"Key here should be a rejection of neoclassical microeconomics in its entirety. This was the missing component of Keynes’s revolution. While he tried to overthrow macroeconomics shibboleths like Say’s Law, he continued to accept not merely the microeconomic concepts such as perfect competition, but also their unjustified projection into macroeconomic areas—as with his belief that the marginal productivity theory of income distribution, which is fundamentally a micro concept, applied at the macro level of wage determination.
From this failure to expunge the microeconomic foundations of neoclassical economics from post-Great Depression economics arose the “microfoundations of macroeconomics” debate that led ultimately to rational expectations representative agent macroeconomics, in which the economy is modelled as a single utility maximising individual who is blessed with perfect knowledge of the future.
.
Fortunately, behavioural economics provides the beginnings of an alternative vision as to how individuals operate in a market environment, while multi-agent modelling and network theory give us foundations for understanding group dynamics in a complex society. They explicitly emphasise what neoclassical economics has evaded: that aggregation of heterogeneous individuals results in emergent properties of the group which cannot be reduced to the behaviour of any “representative individual” amongst them. These approaches should replace neoclassical microeconomics completely.
.
The changes to economic theory beyond the micro level involve a complete recanting of the neoclassical vision. The vital first step here is to abandon the obsession with equilibrium.
The fallacy that dynamic processes must be modelled as if the system is in continuous equilibrium through time is probably the most important reason for the intellectual failure of neoclassical economics. Mathematics, sciences and engineering long ago developed tools to model out of equilibrium processes, and this dynamic approach to thinking about the economy should become second nature to economists.
...
The economic theory that should eventually emerge from the rejection of neoclassical economics and the basic adoption of dynamic methods will come much closer than neoclassical economics could ever do to meeting Marshall’s dictum that “The Mecca of the economist lies in economic biology rather than in economic dynamics” (Marshall 1920: xiv).
.
As Veblen correctly surmised over a century ago (Veblen 1898), the failure of economics to become an evolutionary science is the product of the optimising framework of the underlying paradigm, which is inherently antithetical to the process of evolutionary change. This reason, above all others, is why the neoclassical mantra that the economy must be perceived as the outcome of the decisions of utility maximising individuals must be rejected."
.

Mais actual que nunca

A leitura do artigo "A Dynamic View of Strategy" da autoria de Constantinos Markides e publicado pela Sloan Management Review na Primavera de 1999.
.
"in every industry, there are several viable positions that companies can occupy.
.
Therefore, the essence of strategy is selecting one position that a company can claim as its own. A strategic position is simply the sum of a company's answers to the following questions:
  • Who should the company target as customers?
  • What products or services should the company offer the targeted customers?
  • How can the company do this efficiently?
Strategy involves making tough choices on three dimensions: which customers to focus on, which products to offer, and which activities to perform.
.
Strategy entails choosing, and a company will be successful if it chooses a distictive strategic position that differs from those of its competitors. The most common source of strategic failure is the inability to make clear and explicit choices on these three dimensions."
...
"the heart and soul of strategy is asking the "who-what-how" questions, developing alternatives, and selecting specific goals and actions."
.
E muito importante:
.
"As industries change, new strategic positions arise to challenge existing positions. Change in industry conditions, customer needs or preferences, demographics, technology, government policies, competition, and a company's own competencies generate new opportunities and the potential for new ground rules.
.
Existing niches expand while others die, new niches appear, mass markets fragment into new segments (or niches), "old" niches merge to form larger markets, and so on. This dynamics occurs in every industry."

terça-feira, março 24, 2009

O cozinhado

Misturar isto:

.
com isto: "'No extra cash' for UK economy, Bank of England chief warns" (um dia destes somos nós)
.
Depois, adicionar um pouco de:
.
"A receita registou uma taxa de variação homóloga acumulada (tvha) de -8.9%, tendo as receitas fiscais justificado esta contracção em -8.4 p.p..
.
A despesa cresceu 3.7% relativamente ao período homólogo do ano anterior, sendo o respectivo grau de execução da ordem dos 14.5%, abaixo do padrão de segurança. Por sua vez, a despesa corrente primária registou um crescimento de 5.5%
."
.
Acrescentar ainda uma pitada de:
E sabemos que estamos a caminho de:
.

Com um brilhosinho nos olhos...

"China’s central bank on Monday proposed replacing the US dollar as the international reserve currency with a new global system controlled by the International Monetary Fund."
.
Hummmm... mais uma machadada no ocidentocentrismo. É a consequência natural dado que alguém não se deu ao respeito.
.
Isto sim, é um sinal do dealbar de um mundo realmente novo: "China calls for new reserve currency".
.
Só não percebo é por que não propõem já o ouro, "In an essay posted on the People’s Bank of China’s website, Zhou Xiaochuan, the central bank’s governor, said the goal would be to create a reserve currency “that is disconnected from individual nations and is able to remain stable in the long run, thus removing the inherent deficiencies caused by using credit-based national currencies”."

Os empresários têm de usar o coração.

Muitas vezes, neste blogue, chamamos a atenção para a superioridade da micro-economia sobre a macro-economia.
.
A macro-economia vive distante da realidade, faz uso de modelos simplificados da realidade, modelos lineares que não admitem a riqueza da actividade da ingenuidade (à inglesa) humana.
.
Um paradigma desta filosofia e mentalidade é dado sempre que a União Europeia é chamada a intervir num sector económico. Por que distante da realidade, trata tudo por igual, só consegue abordagens à Lanchester daí que a solução mais comum seja o abate, a eliminação de concorrentes na secretaria.
.
Quando falo de superioridade da micro-economia (afinal, Só a micro-economia é que nos vai dando boas notícias ) alicerço a minha opinião naquilo que não pode ser previsto pelos modelos de burocratas, na paixão, no amor, na intimidade entre fornecedores-clientes e produtos (aqui, aqui e aqui).
.
Por isso, foi com especial carinho que encontrei uma entrevista da Mario Moretti Polegato, presidente da Geox, ao semanário Expresso. De retirei alguns trechos que ilustram o meu sentimento sobre a micro-economia:
.
"Expresso - Há uma receita para o sucesso?
Polegato - Ter fome de mudar, ser inovador e surpreender o cliente, ser global, ser pertubador e simultaneamente genuíno.
...
O problema é que alguns empresários perderam o foco nas suas empresas e preferiram investir nas finanças. Mas ser empresário e ser financeiro são coisas muito diferentes.
.
Expresso - O que os separa?
Polegato - O empresário é criativo, é líder, tem de ter entusiasmo e contagiar a sua equipa. O banco é um fornecedor de dinheiro. Os empresários têm de usar o coração. Os bancos só vêem taxas. São mentalidades diferentes. Precisam de ser independentes."

Estranhas prioridades.

Em teoria sou a favor de sistemas não subsidiados em que quem melhor servir os clientes, quem tiver o melhor modelo de negócio ganha e é beneficiado no e pelo mercado.
.
É sob essa orientação que apoio a liberalização do sector leiteiro na Europa.
.
Adivinho, no entanto, grandes dificuldades para muitos produtores europeus, grande turbulência e falências por que muitos não estão preparados para o que aí vem.
.
Os governos não falam abertamente da revolução que aí vem no sector leiteiro pelo que a maioria não está, nem se está a preparar, nem que seja com estratégias de saída do sector pela mó de cima.
.
Isto tudo a propósito deste artigo no Público: "Comissão Europeia recusa rever liberalização da produção de leite".
.
"A Comissão Europeia recusou hoje liminarmente o pedido de Portugal e mais seis países da União Europeia (UE) de “congelamento” do aumento programado das quotas de produção de leite para permitir ao sector em dificuldades ultrapassar a actual crise"
.
Sintomático que os políticos sejam tão firmes e batam o pé no chão, e venham para a televisão ameaçar... tudo por causa do IVA nas pontes de Lisboa e não usem a mesma bitola para a defesa do sector leiteiro.
.
Estranhas, estas prioridades.

segunda-feira, março 23, 2009

Este é um ponto crítico!

Dá que pensar:
.
"Charles Dumas, global strategist at Lombard Street Research, said Europe's leadership class have ensured "likely disaster" for EMU by assuming for so long that they could continue to rely on "predatory export-led growth" by feeding off world demand rather adopting radical stimulus measures of their own.
.
"It looks as if surplus countries, particularly those of north-central Europe clustered around Germany, imagine they can wait for recovery and then enjoy export-led growth again," he said."
.
E a queda do PIB alemão em 7% "German economy to contract 7pc this year"

O que se pode aprender com quem compete em mercados emergentes?

Admitamos um cenário de depressão económica mundial continuada.
.
Com o fim do crédito fácil e barato temos e teremos connosco por alguns anos a derrocada na procura, a queda na capacidade de consumir.
.
Como enfrentar esta nova paisagem?
.
Peter Williamson e Ming Zeng publicam na Harvard Business Review deste mês de Março um interessante artigo com algumas pistas que podem ser exploradas.
.
Primeiro a situação actual:
.
"No one needs convincing that the economic situation we’re facing today is almost unprecedented. Yet much of the advice that executives have received is remarkably similar to what they heard during the recession in 2000. Particularly in Western enterprises, the preferred antidotes seem to be standard ones: Evaluate your risks, develop contingency plans, focus on your core, reduce costs, expect the unexpected, and so on. The unspoken objective appears to be to survive or, at most, to maintain market share.
.
Like many orthodoxies, however, this will not serve companies well today. The world has changed so much because of, among other reasons, deregulation, lowering of trade barriers, rapid technological advances, demographic shifts, and greater urbanization, that strategies that worked a decade ago are unlikely to do so anymore. Previously, downturns often favored incumbents, which possess economies of scale and customer relationships that allowed them to prevail over upstarts. What’s different now is that companies from several emerging markets are poised to wrest market share from, or even take over, Western firms."
.
O que os autores propõem é que analisemos a forma como actuaram algumas empresas de sucesso em mercados emergentes (mercados caracterizados por um fraco poder de compra)
.
"During the Depression, (...) companies developed value-for-money strategies: They grew by delivering products and services that enabled hard-hit consumers to do more with the same resources and become more effective; to do the same with fewer resources, thereby improving their efficiency; or to do less with far fewer resources, which helped them economize.
.
Value for money has again become a strategic imperative—and not just because of the recession."
...
"In both the developed and the developing world, therefore, delivering value for money has become critical. What capabilities must companies possess to thrive in this environment? Our research suggests that instead of refining cost-cutting techniques, companies should develop cost-innovation capabilities. They must learn to reengineer their cost structures in novel ways so they can offer customers dramatically more for less. That may not be good news for many U.S., European, and Japanese corporations, which have usually dealt with low-cost competitors by going upmarket and creating premium segments, both at home and abroad."
.
Os autores propõem a inovação para reduzir os custos.
.
"The idea of innovating to develop offerings that provide greater, or almost the same, functionality but at a lower price is unconventional. Some executives may regard it as silly: Why invest in research to sell products for less than the prevailing price? However, smart companies in emerging markets have done just that to appeal to the great mass of value-conscious customers at home."
.
E depois, algo que faz recordar "The Blue Ocean Strategy" de Chan e Mauborgne:
.
"Cost-innovation strategies are disruptive in that they result in products or services that look inferior in some ways to existing ones but are more affordable and easier to use than incumbents’ offerings."
.
"Como não acredito em acasos fico a pensar nesta coincidência "No meio não está a virtude, ou seja, não vale guterrear"
.
Os autores apresentam três avenidas de progresso e pesquisa:
.
"Selling high-tech products at mass-market prices.
Companies often apply the latest technology only to the most complex applications or sell it to early adopters. By restricting a state-of-the-art technology to a few segments initially and transferring it to mainstream markets over time, they capture the maximum value throughout its life and enhance the return on their investment in research and development. However, some newcomers from developing countries have found ways to offer the latest technology to mass-market customers at low prices."
...
Ou seja, serializar a produção de artigos que de outra forma não abandonariam a categoria de protótipo ou semi-protótipo.
.
"Offering choice and customization to value customers.
Customers usually have to pay hefty premiums if they want a large selection of products or customized offerings. That’s because most companies in developed countries, which focus on gaining economies of scale, fear that if they offer a plethora of choices, their operations will spiral out of control. They will spend additional time making changeovers on manufacturing lines and lose money from write-offs on obsolete inventory. But companies in emerging markets have been able to transform the rules of variety and customization by learning to gain economies of scope."
...
Ou seja, apostar na flexibilidade, reduzir os limites que tornam uma pequena série rentável, para poder apostar em séries mais pequenas, maior diversidade, maior rapidez.
.
"Turning premium niches into mass markets.
Most companies define a niche market as one that consists of relatively few customers willing to pay premium prices for goods and services that meet their specialized requirements. They don’t check to see if there may be a wellspring of latent demand choked off by high prices and poor value-for-money offerings."
.
Mais do que nunca a grande restrição vai continuar a ser, e ampliada, a conquista de clientes.

domingo, março 22, 2009

Surrealista (parte II)

Como ilustram os dois últimos postais, resolvi dar uma chance à TSF de me fazer companhia no final da tarde de domingo enquanto trabalhava diante do computador.
.
Algures por volta das 19h15 a rádio deixou de emitir qualquer sinal, na altura nem dei conta do sucedido.
.
Depois, por volta das 19h30 o sinal regressa e para meu espanto começo a ouvir uma voz feminina em castelhano. Por momentos pensei que se tratava de alguma reportagem, só que o tempo continuava a passar e continuava a passar uma senhora em castelhano a promover um programa em que as pessoas lhe ligavam e ela lia o seu futuro nas cartas!!!!
.
São 21h25 e a TSF desapareceu em 107.4 para dar ligar a esta emissão surreal... agora, é uma voz masculina em castelhano.

Surrealista

O desemprego a subir, as empresas a fechar e a TSF de braço dado com a UGT vai promovendo o aumento do SMN "O líder da UGT afirmou esperar que o próximo Governo «seja sensível» à necessidade de aumento do Salário Mínimo Nacional (SMN)".
.
É surrealista a situação... até parece retirada de um programa dos gatos fedorentos...

A independência dos analistas

A TSF está agora a transmitir um programa onde um analista conduz um Porche e vai tecendo elogios e fazendo comentários.
.
De quem será o Porche que ele conduz? Terá sido a marca a fornecê-lo para o programa?
.
Foi a TSF que escolheu a viatura, ou a marca paga algo pela publicidade?
.
Mas se a marca paga... como é que eu tenho a certeza que o analista é imparcial e está a ajudar-me com informação de confiança em vez de estar a fazer publicidade encapotada?
.
O que é que distingue este analista de carros dos analistas que aconselham sempre a comprar acções?
.
Será que analista de carros também deveria ser entrevistado pelo Stwart do Daily Show?

Are you sure you have a strategy? (parte III)

Continuado daqui.
.
Segue-se a Lógica Económica, algo entre aquilo que considero proposta de valor, a disciplina de valor de Wiersema e modelo de negócio.

"At the heart of a business strategy must be a clear idea of how profits will be generated—not just some profits, but profits above the firm's cost of capital. It is not enough to vaguely count on hav­ing revenues that are above costs. Unless there's a compelling basis for it, customers and competitors won't let that happen. And it's not enough to gen­erate a long list of reasons why customers will be eager to pay high prices for your products, along with a long list of reasons why your costs will be lower than your competitors'. That's a sure-fire route to strategic schizophrenia and mediocrity.

Economic logic asks the specific questions of our ability to generate profit. How will we gain lowest costs: 1) through scale advantage? 2) through scope and replication advantage? And, how will we attract premium prices: 1) due to unmatchable service? 2) due to proprietary product features? The most successful strategies have a central economic logic that serves as the fulcrum for profit creation. In many cases, the economic key may be to obtain premium prices by offering customers a difficult-to-match product."
.
Não basta receber encomendas, é preciso ganhar dinheiro com elas.
Não basta captar clientes, é preciso que eles sejam lucrativos.
.
Continua.

Birras e políticos que não sabem dizer não

Mário Soares que sempre defendeu que Portugal entrasse no pelotão da frente do euro, sem nunca perceber as consequências da adopção de uma moeda forte, num país habituado a desvalorizações deslizantes para obter vantagens desleais nas suas exportações e, por isso, sem nunca ter dito quais seriam as consequências da adesão ao euro para a economia portuguesa, vem dizer que a Europa tem líderes mediocres e que a chanceler alemã não é fixe pois não quer pagar as irresponsabilidades cometidas pelos outros países da eurozona "à preocupação da chanceler Angela Merkel de, com eleições à porta, «não impor medidas que possam desagradar aos eleitores». " (aqui).
.
Pois, políticos fixes são aqueles que tomam decisões sem saber, sem imaginar quais as consequências que elas vão originar e, sem verdadeiramente se preocuparem com isso.
.
Mário Soares podia olhar cá para dentro de portas e apontar o dedo cá dentro.
.
O mundo económico tal como o conhecemos está a desmoronar-se:
.
Alguns trechos do The New York Times "Rapid Declines in Manufacturing Spread Global Anxiety":
.
"Orders are down 50 percent from a year ago" (numa fábrica alemã)
...
"That manufacturing is in decline is hardly surprising, but the depth and speed of the plunge are striking and, most worrisome for economists, a self-reinforcing trend not unlike the cascading bust that led to the Great Depression.
.
In Europe, for example, where manufacturing accounts for nearly a fifth of gross domestic product, industrial production is down 12 percent from a year ago. In Brazil, it has fallen 15 percent; in Taiwan, a staggering 43 percent.
.
Even in China, which has become the workshop of the world, production growth has slowed, with exports falling more than 25 percent and millions of factory workers being laid off.
.
In the United States, until recently a relative bright spot for manufacturing despite the steady erosion of blue-collar jobs, industrial output fell 11 percent in February from a year ago, according to statistics released Monday by the Federal Reserve.
.
Manufacturing has fallen off the cliff, and it’s certainly the biggest decline since the Second World War,” said Dirk Schumacher, senior European economist with Goldman Sachs in Frankfurt."
.
Edward Hugh no seu blog ilustra profusamente em gráficos o descalabro que vai por esse mundo fora, por exemplo:
Este humilde blogger ainda antes da queda da Lheman Brothers escrevia Como vai ser o próximo ano? e desde 15 de Setembro de 2007 usa este marcador ,
.
Agora, só quando a realidade irrompe como um tsunami pelas nossas vidas e se torna impossível escondê-la ou ignorá-la é que os ministros começam a balbuciar umas coisas "Teixeira dos Santos admite estar preocupado com défice"
.
Pois bem, é no meio deste cenário global que o ministro do trabalho no congresso da UGT não tinha mais nada para dizer do que "Salário mínimo: Governo vai discutir aumento para 600 euros"
.
Quando temos um país a que já chamam cheque careca on-the-making, um país que é usado como exemplo, "the portuguese trap", do que acontece quando se conjuga uma moeda forte com salários incompatíveis com uma produtividade baixa o ministro do trabalho não tem mais nada para dizer...
.
Recorda-me a última figura de bébé que me recordo de fazer em público. Fui com os meus pais passear numa feira de barracas na Rotunda da Boavista no Porto na época dos santos populares, ao passar por uma banca apaixonei-me por um brinquedo e pedi-o aos meus pais. Eles recusaram, e eu insisti, e eles voltaram a recusar, e eu comecei a fazer uma birra com choro ...
.
O mundo mudou, a produção industrial está em queda livre, as encomendas escasseiam, e a UGT e o ministro do trabalho entretêm-se com a subida do SMN.
.
Bom... tem o seu lado positivo, acelera o dia do julgamento final, o day of reckoning. OK, pode ser.
.
Este políticos da oposição e da situação fazem-me cada vez mais recordar o aquecimento global:
.
Taxes must rise to pay for climate change, MPs warn
vs The 'Global Warming Three' are on thin ice

sábado, março 21, 2009

Are you sure you have a strategy? (parte II)

Continuado daqui.
.
Aquilo a que eu chamo proposta de valor é chamado, por Donald Hambrick e James Fredrickson de "differentiators":
.
"A strategy should specify not only where a firm will be active (arenas) and how it will get there(vehicles), but also how the firm will win in the marketplace—how it will get customers to come its way. In a competitive world, winning is the result of differentiators, and such edges don’t just happen. Rather, they require executives to make upfront, conscious choices about which weapons will be assembled, honed, and deployed to beat competitors in the fight for customers, revenues, and profits."
...
"Achieving a compelling marketplace advantage does not necessarily mean that the company has to be at the extreme on one differentiating dimension; rather, sometimes having the best combination of differentiators confers a tremendous marketplace advantage."
...
"differentiators don’t just materialize; they are very hard to achieve. And firms without them lose.
.
The other negative outcome is that, without upfront, careful choices about differentiators, top management may seek to offer customers across-the-board superiority, trying simultaneously to outdistance competitors on too broad an array of differentiators—lower price, better service, superior styling, and so on. Such attempts are doomed, however, because of their inherent inconsistencies and extraordinary resource demands. In selecting differentiators, strategists should give explicit preference to those few forms of superiority that are mutually reinforcing (e.g., image and product styling), consistent with the firm’s resources and capabilities, and, of course, highly valued in the arenas the company has targeted."
.
Já identificamos os clientes-alvo, já definimos a proposta de valor.
.
Não esquecer que devemos considerar na arena, não só os utilizadores do que produzimos, como também os eventuais mediadores entre quem fabrica e quem utiliza, por exemplo os lojistas que vendem um produto aos consumidores, os agentes que representam uma marca de equipamentos, ...
.
Como já aqui referimos, transcrevendo palavras de Jean Claude Larreche, é aqui que ocorre a originação de valor: na definição dos clientes-alvo e da proposta de valor.
.
BTW: Quem nos fala do aumento da produtividade única e exclusivamente à custa da poupança e do aumento da eficiência, como ainda ontem identificamos em Actualizem o documento por favor., na linguagem de Larreche, só está a actuar sobre a extracção de valor e sobre a captura de valor.
.
Continua.

sexta-feira, março 20, 2009

Actualizem o documento por favor.

A AEP disponibiliza na Internet um documento chamado "Produtividade - Manual Pedagógico" do Programa Nacional de Qualificação das Chefias Intermédias.
.
A certa altura, acerca da produtividade (página 17) pode ler-se:
.
"Em tese, a produtividade assim concebida pode ser aumentada de três formas:
1. Poupando trabalho – exemplo: todas as formas de mecanização e automatização;
2. Poupando capital – exemplo: controlo de stocks, poupança de energia;
3. Poupando capital e trabalho na mesma proporção – exemplo: todas as formas de intensificação e racionalização do trabalho."
.
Oopssssssss!!!
.
Só mencionam o denominador?!!!
.
Quantas gerações de chefias intermédias estão a ser contaminadas por esta abordagem incompleta sobre o como aumentar a produtividade?
.
Ainda para mais deixando o numerador, aquela que mais nos interessa, de fora.
.
Por favor actualizem o documento.
.
Abandonem a pedagogia, abracem a andragogia!
Tenham em conta Rosiello e salvem-nos dos aumentos incrementais, quando precisamos de deleltas de Dirac, cortes epistemológicos que criem valor no numerador da equação da produtividade.
.
Mais grave ainda, não são só as chefias intermédias que estão contaminadas por estes ensinamentos. Basta atentar na opinião de Vitor Bento no Diário Económico de hoje:
.
" receita prescrita por Vítor Bento para Portugal sair da crise passa por reduzir salários. "Reequilibrar as contas externas implica exportar mais, o que requer um aumento da competitividade. O instrumento normal para promover a competitividade é a desvalorização da moeda, mas Portugal não tem moeda para desvalorizar. Podemos simular, mas para isso é preciso reduzir salários e descer os preços dos serviços não transaccionáveis."
.
Na mente de Vitor Bento, tal como no documento da AEP não existe a palavra valor, não existe a subida na escala de valor. Também convido Vitor Bento a fazer simulações a partir do estudo de Rosiello e veja o que faz sentido.

Are you sure you have a strategy? (parte I)

Esta pergunta intitula um artigo de Donald Hambrick e James Fredrickson publicado em 2005 por Academy of Management Executive.
.
"This problem of strategic fragmentation has worsened in recent years, as narrowly specialized academics and consultants have started plying their tools in the name of strategy. But strategy is not pricing. It is not capacity decisions. It is not setting R&D budgets. These are pieces of strategies, and they cannot be decided—or even considered— in isolation."
...
"When executives call everything strategy, and end up with a collection of strategies, they create confusion and undermine their own credibility. They especially reveal that they don’t really have an integrated conception of the business."
...
"Without a strategy, time and resources are easily wasted on piecemeal, disparate activities; mid-level managers will fill the void with their own, often parochial, interpretations of what the business should be doing; and the result will be a potpourri of disjointed, feeble initiatives."
...
"If a business must have a strategy, then the strategy must necessarily have parts. What are those parts? ... a strategy has five elements, providing answers to five questions:
  • Arenas: where will we be active?
  • Vehicles: how will we get there?
  • Differentiators: how will we win in the marketplace?
  • Staging: what will be our speed and sequence of moves?
  • Economic logic: how will we obtain our returns?"
...
"The most fundamental choices strategists make are those of where, or in what arenas, the business will be active. In articulating arenas, it is important to be as specific as possible about the product categories, market segments, geographic areas, and core technologies, as well as the value-adding stages (e.g., product design, manufacturing, selling, servicing, distribution)
the business intends to take on."
.
A arena é, na minha abordagem, a identificação dos clientes-alvo. Não a etiquetagem da miudagem, mas o nome das entidades concretas, como se olhássemos nas suas meninas-dos-olhos, para lhes podermos fazer perguntas concretas.
.
(continua)

quinta-feira, março 19, 2009

A Sonae deve estar mesmo desesperada!

Pensei que Obama tinha resolvido a situação.
.
Ontem recomeçou o Inferno. Ligaram duas vezes.
.
Hoje, nas duas últimas horas, já ligaram para cá 3 vezes!!!!
.
Não, não quero o clix ou o nix.
.
"- Concerteza, vou apontar aqui para que não o voltem a contactar."
.
Ahahaha, isso é o que dizem todos.
.
Qualquer dia é uma bomba como represália.

A fuga para a frente continua...

"Viagra-Hersteller stärkt sich mit Generika"
.
Agora querem dedicar-se aos genéricos.
.
Será que conseguem lidar com as particularidades dessa proposta de valor?
.
Ou terão o mesmo destino das companhias áreas de aviação que tentaram a sua sorte no negócio das kow-cost?

Most people resist selling but enjoy buying

Ontem voltei ao tema da diferença entre Vendedor vs consultor de compra.
.
Entretanto, ao final do dia numa releitura do "Crossing the Chasm" de Geoffrey Moore encontro a seguinte passagem:
.
"Companies focus on making products easier to sell because that is what they are worried about – selling. They load their marketing communications with every possible selling argument, following the age-old axiom that if you throw a lot of mud at a wall, some of it is bound to stick.
.
Prospective customers shrink from this barrage, which in turn causes the salespeople to chase after them that much harder. Even though the words appear to address the customers’ values and needs, the communication is really focused on the seller’s attempt to manipulate them, a fact that is transparently obvious to the potential customer. It’s a complete turn-off – all because the company was trying to make its product easy to sell instead of easy to buy.
.
Think about it. Most people resist selling but enjoy buying. By focusing on making a product easy to buy, you are focusing on what the customers really want. In turn, they will sense this and reward you with their purchases. Thus, easy to buy becomes easy to sell. The goal of positioning, therefore, is to create a space inside the target customer’s head called “best buy for this type of situation” and to attain sole, undisputed occupancy of that space. Only then, when the green light is on, and there is no remaining competing alternative, is a product easy to buy.”
.
É uma mina por desenvolver esta mudança de perspectiva, ajudar a comprar em vez de despejar a tentativa de venda pela garganta abaixo... lembro-me da podologia.

Para reflectir

Seth Godin chama a atenção para diferentes alternativas que uma empresa pode abraçar para manobrar na situação actual.
.
Consider for a minute the pivot points available to you:
  • Keep the machines in your factory, but change what they make.
  • Keep your customers, but change what you sell to them.
  • Keep your providers, but change the profit structure.
  • Keep your industry but change where the money comes from.
  • Keep your staff, but change what you do.
  • Keep your mission, but change your scale.
  • Keep your products, but change the way you market them.
  • Keep your customers, but change how much you sell each one.
  • Keep your technology, but use it to do something else.
  • Keep your reputation, but apply it to a different industry or problem.
Pivots for change

quarta-feira, março 18, 2009

Alegre não está sozinho, tem companhia no governo

"Teixeira dos Santos: "não estou arrependido" de ter aumentado salários em 2,9 por cento"
.
Depois, Teixeira dos Santos remata:
.
"O ministro disse, no entanto, que existe "um 'trade-off' [escolha] que temos pela frente entre desemprego e salários", salientando que não estava a falar do sector público."
.
E de onde vem o dinheiro para pagar ao sector público? De Oz?
.
Como é que Guterres dizia?
.
"É a vida!"
.
Isto de se tomarem decisões sem ter em conta a produtividade do país dá nisto: "Portugal arrisca-se a ser um cheque sem cobertura por causa do endividamento"

Quaresma? Qual quaresma...

... ainda estamos no Carnaval.
.
"Manuel Alegre defende aumento de salários":
.
"“É preciso aumentar os salários para que não haja um colapso do comércio”, defendeu hoje Manuel Alegre na curta intervenção com que abriu a sessão de lançamento do terceiro número da revista online “OPS!”, da Corrente de Opinião Socialista, uma tendência do PS."
.
Há uma parte dentro de mim, que tem uma atracção pelo abismo, pela confusão, se calhar são ainda reflexos de uma pré-adolescência vivida em pleno PREC. Pois, essa parte de mim, ao ler a opinião de Manuel Alegre sussurrou: Go ahead, make my day! Let the chaos begin! Liberta os cavalos do apocalipse se tens coragem...
.
Ia ser bonito para a balança de pagamentos, ia ser bonito para a taxa de juro que o estado português paga pelo dinheiro que ainda vai conseguindo obter emprestado dos incautos.
.
Afinal por que é que a Espanha, que tem um nível de vida bem mais alto que o nosso está a entrar pelo cano? Spanish doldrums
.
Afinal porque é que Portugal é conhecida por ter uma economia refém da Portuguese-trap?
.
Ainda na passada segunda-feira o Diário Económico trazia uma entrevista com um economista alemão que recordava que o que coloca Portugal numa situação de risco é a deterioração da produtividade por que os saláros subiram acima da produtividade.
.
Pois bem, qual a receita de Alegre para a nossa falta de produtividade?
.
Tantan!!!!!
.
Deteriorar ainda mais a produtividade!!!
.
Ah poeta!!!
.
Come on, make my day!

Gestão do Ambiente - aula 2

Escola Superior de Biotecnologia da Universidade Católica.
.
Acetatos (4,6 MB) (atenção à password)

Vendedor vs consultor de compra

Há dias combinei um ponto de encontro à saida do metro junto ao Estádio do Dragão na cidade do Porto.
.
Enquanto aguardava descobri que existe por ali uma loja da cadeia Rádio Popular. Entrei e dei uma vista de olhos pelo espaço.
.
A certa altura paro e fico a apreciar como é que uma vendedora apresentava as máquinas de lavar roupa a um casal já com cinquenta e muitos anos.
.
A vendedora recitava dados técnicos das máquinas ... dei comigo a pensar "Está a falar grego! Eles, o casal, e eu, não quero saber dos dados técnicos. Eu quero é saber se a máquina me vai ajudar na minha vida. E entre tantas máquinas ... qual a que melhor se ajusta à minha vida, à minha rotina. O que será uma boa compra? E se eu fizer uma má compra? A última vez que comprei uma máquina de lavar roupa foi há mais de 20 anos ... é um investimento e peras, tenho de fazer uma boa escolha. Eu quero fazer uma boa escolha, uma que se ajuste à minha vida, não quero comprar a melhor máquina do mundo, não quero saber de especificaçoes técnicas ...
.
Por que é quem vende, as lojas, não preparam, não formam os seus vendedores, para ajudarem a comprar, em vez de venderem?
.
Por que não constroem o perfil de 3, 4 ou 5 compradores-tipo e identificam as máquinas que melhor se ajustam a cada um desses perfis?
.
Por que não se centram nos compradores e na sua vida em vez de se concentrarem nas máquinas?

Acordar as moscas que estão a dormir (parte XII)

Esta vontade "Ministro Vieira da Silva afasta redução de salários em Portugal" faz-me recordar as imagens do tsunami na Ásia em que humanos impotentes, encavalitados numa mesa, numa tábua, eram empurrados pela corrente, enquanto lutavam para se manter à superficie.
.
De pouco serve a vontade humana no meio da turbulência.
.
Também no público de hoje: "Portugal arrisca-se a ser um cheque sem cobertura por causa do endividamento"

terça-feira, março 17, 2009

Acordar as moscas que estão a dormir (parte XI)

That feeling again:
.
"We should thank our lucky stars we escaped the budding euro-zone disaster"
.
"Overall German exports have already dropped by nearly 10pc year-on-year, while the output of the export-dependent German industrial sector is down by almost 20pc. The moral is that it isn't good enough for a country to be prudent itself. To be really safe, the countries with which it trades heavily have to be prudent as well." (Vamos concluir que temos de apostar em comércio equilibrado, entre países saudáveis. Nem só importadores, nem só exportadores)
...
"poor productivity and strong wage growth has led the Club Med economies' competitive positions to deteriorate dramatically. As a result, current account deficits have ballooned - to 10pc of GDP for Spain, 12pc for Portugal and 14pc for Greece."
...
" Italian and Greek public debt is close to 100pc of GDP. The markets fear that these governments, along with those of Ireland and Austria, could be forced to default."
.
"Spanish doldrums": "How does Spain get out of this? No devaluation is possible — and no, I don’t think exiting the euro is feasible. So it has to do it with relative deflation, hard enough in normal times, when at least costs and prices elsewhere are rising a few percent a year. In the face of a depressed and possibly deflationary European economy … this is going to be ugly."
.
"Estudo afirma que Portugal ameaça união monetária"

Mais do que nunca concentrar, focar.

Ram Charan esteve ontem em Lisboa.
.
Segundo o Público de hoje:
.
"as empresas precisam agora, mais do que nunca, de fortalecer o foco do seu negócio. "É isso que vai tornar a empresa mais forte quando a tempestade passar", diz o guru. Depois, é preciso cortar custos, de modo a gerar recursos suficientes para inovar. "Se só se cortarem custos e não se fizer esforço de inovação, condena-se a empresa", ".
.
Não mudou nada de fundamental, ficou foi mais difícil, muito mais, vender.
.
Perante o reforço da polarização do mercado e da migração do valor há que fortalecer o foco do negócio.
.
Quem é o cliente-alvo?
.
Onde está?
.
Qual a proposta de valor?
.
O que devemos abandonar?
.
Charan chama a atenção para "liderar numa era em que a questão já não é fazer a empresa crescer mas sim garantir que tem dinheiro para continuar viva"

segunda-feira, março 16, 2009

Imagens na mente

A invasão da costa francesa no Dia D.
.
A pressão para instalar a todo o custo uma testa de ponte: É a imagem que me vem à cabeça ao ler este trecho de Geoffrey Moore no seu livro "Crossing the Chasm", voltei a ela ao equacionar o desafio que muitas empresas enfrentam actualmente para conseguir, face à migração de valor em curso, re-orientar a sua produção para novos clientes-alvo, para novos produtos ou serviços.
.
"... target a specific niche market as your point of attack and focus all your resources on achieving the dominant leadership position in that segment."
.
Só que isto de segmentação de mercados tem um problema, é como falar de miudagem.
.
"The problem is, they are too abstract. They need to become more concrete, more target-market specific. That is the function of target-customer caracterization." (Notar, target-customer e não target-market).
.
"First, please note that we are not focusing on target-market characterization. The place most crossing-the-chasm marketing segmentation efforts get into trouble is at the beginning, when they focus on a target market or target segment instead of on a target customer.
.
Markets are impersonal, abstract things: the personal computer market, the one-megabit RAM market, the office automation market, and so on. Neither the names nor the descriptions of markets evoke any memorable images - they do not elicit the cooperation of one's intuitive faculties. We need to work with someting that gives more clues about how to proceed. We need som that feels a lot more like real people. However, since we do not have real live customers as yet, we are just going to have to make them up. Then, once we have their images in mind, we can let them guide us to developing a truly responsive approach to their needs."



Nós não prevemos até ao fim as consequências das nossas decisões (parte III)

No Público de hoje a propósito das reformas da Segurança Social pode ler-se:
.
"Vieira da Silva destacou, em 2006, o facto da reforma dar a cada cidadão "uma maior margem de opção" a Portugal apresentará em 2046 o maior corte médio de pensões de reforma da União Europeia, segundo um relatório da Comissão Europeia sobre a inclusão social. Já a previsão do Governo é menos pessimista. De qualquer forma, trata-se de estimativas para quem entre agora no mercado de trabalho. E o que acontece aos que já trabalham?
.
Os números parecem assustadores. Na realidade, nenhuma instituição nem o Governo têm números para o que vai acontecer às pensões dos trabalhadores actuais, porque apurá-los nunca foi preocupação. Uma coisa é certa: as pensões desses portugueses vão diminuir em cada ano face à lei vigente até 2006, fruto da reforma da Segurança Social desse ano. E os relatórios internacionais vão já dando conta dessas alterações."
.
O que é assustador é pensar que este modo de actuação é generalizado.
.
Quando um governo (seja este seja outro da oposição actual) legisla sobre o tema A ou o tema B não se equacionam as consequências, não se simulam os resultados ...
.
"Na realidade, nenhuma instituição nem o Governo têm números para o que vai acontecer às AA dos portugueses, porque apurá-los nunca foi preocupação"
.
"Na realidade, nenhuma instituição nem o Governo têm números para o que vai acontecer às BB dos portugueses, porque apurá-los nunca foi preocupação"
.
After all nós não prevemos até ao fim as consequências das nossas decisões...

Sugestão de leitura

"Implementação do Balanced Scorecard no Estado" de Jorge Caldeira.
.
Um livro que se lê rapidamente, com as definições "todas" e com uma estrutura muito arrumada.
.
Fico à espera que o autor um dia destes traduza para o papel a sua experiência e reflexão sobre a construção de mapas da estratégia, o livro está profusamente ilustrado com exemplos de mapas da estratégia de organizações estatais.

domingo, março 15, 2009

Piadas de mau gosto (parte II)

Na sequência de Piadas de mau gosto talvez seja útil visitar esta infografia Les suppressions d'emplois en France

As alternativas

Realmente a recessão não toca a todos os sectores de igual modo. O imobiliário e os bens de equipamento podem estar de rastos, mas há sectores a crescer.
.
Parte do dinheiro que não se gasta com as grandes compras pode ser aplicado nos pequenos prazeres do dia-a-dia, por exemplo "Americans reach for small luxuries amid sour economy":
.
"The ailing economy is threatening to permanently kill the national buzz. The hundreds of thousands who have been laid off of late certainly have no intention of living the high life, and neither do those clinging to employment with shredded fingernails. Second homes, exotic getaways and French Champagne seem at best imprudent, at worst vulgar. What to do?
.
Think small, like Casey Elliott.
.
She's here picking up a tin of gourmet hot chocolate mix for her kids, a small but welcome treat at a time when her husband is out of work. "We're trying to do simple things, like going for family walks and playing games," she says.
.
From food to fashion, potions to pets, entertainment to e-commerce, Americans are finding modest ways to both buoy their spirits and maintain, even in cut-rate form, a version of those old free-spending days."

Há qualquer coisa que não me cheira bem ...

... nesta generalizada fuga para a frente das fusões e aquisições.
.
É como adiar a resolução de um problema, ele vai crescer e da próxima vez a alternativa vai ter de ser ainda maior. De certa forma é como os estímulos à economia tão em voga.
.
Adia-se a resolução do problema de fundo, mas ele não vai desaparecer... e muito provavelmente vai avolumar-se, não passa de um breve momento de pausa para recuperar o fôlego.
.
No Le Monde de hoje: "Grandes manoeuvres dans la pharmacie américaine".
.
BTW, qual a direcção do futuro: medicamentos iguais para todos (produção em massa) ou medicamentos específicos em função do perfil genético? (produção em pequenas quantidades, muitas variedades, elevada flexibilidade)
.
Qual o tipo de empresa mais habilitado a servir a direcção do futuro?

sábado, março 14, 2009

A maré

Assim como quando a maré sobre não é para todos (A retoma da economia), também, quando a maré desce, não desce de forma igual para todos: The uneven recession

Piadas de mau gosto

No Diário Económico de hoje "Achar que a crise veio para ficar é contraproducente"
.
Pelo título cheira logo a mambo-jambo...
.
"Na questão da crise económica, a maior preocupação tem a ver sobretudo com o estado de espírito da classe empresarial. O que se verifica é um profundo pessimismo, uma descrença de que esta crise seja um mal passageiro e essa é a parte mais preocupante que retiro deste resultado, porque acredito que esta crise é de natureza comportamental."
.
Como é que Maria Antonieta dizia quando lhe falavam dos protestos do povo por causa do pão? Por que é que não comem brioches?
.
Como não tenho acesso ao jornal não sei quem proferiu a afirmação, nem sei qual o resto da conversa.
.
No entanto, esta amostra, e sobretudo o trecho sublinhado, fazem-me accionar várias sinapses:
Em suma, piadas de mau gosto num jornal dito económico.

sexta-feira, março 13, 2009

Quebrar as regras do jogo

Um pouco de filosofia com estratégia em "Understanding and breaking the rules of business: Toward a systematic four-step process" de Dodo zu Knyphausen-Aufsess, Nils Bickhoff e Thomas Bieger publicado em Business Horizons (2006) 49, 369-377.
.
Se queremos dar saltos, autênticos deltas de Dirac, na produtividade, temos de apostar na diferenciação, no posicionamento competitivo, na renovação estratégica. Ou seja, há que quebrar as regras do jogo existente e forjar novas regras antes dos outros.
.
"Breaking rules creates opportunities, but also increases the risks."
...
"Rules and laws are, in other words, only of a temporary nature. It follows, then, that we should see it almost as a sporting challenge to consider whether supposed rules and laws might not, in fact, be broken. The obvious consequence would be the creation of a new scientific status quo, against which still others would, in turn, test their mental agility."
...
"Management activity, too, always derives from certain attitudes and mindsets that we often hold in common with the people with whom we work. To borrow a term from the realms of psychology, these attitudes are bcognitive mapsQ that give us direction, that we depend on to find our way in a complex world of infinitely varied information."
...
"We live within paradigms, and it takes tremendous energy to break out of those paradigms and
redraw cognitive maps."
...
""Rules" also have much in common with the economic doctrine of equilibrium, which teaches us to always bear in mind the possibility that competitive advantages can be eroded. Competitive advantages are nothing other than deviations from a state of perfect competition, and are the cause of dominant market positions that are associated with higher profits.
These higher profits, however, attract fresh competition such that initial advantages are quickly evened out."
...
"The trouble with strategies and business models is that, in fast-moving markets, they have to be changed very frequently"
...
"From the strategic process perspective, the crucial factor is to select and bundle the strategic
initiatives that emerge throughout the enterprise.
It is important to know the rules of the business; however, it is equally important to try out departures from these rules in order to set oneself apart from rivals and secure competitive advantages. As mentioned previously, such advantages can often only be exploited for a short period of time, as competitors inevitably catch up."
...
"Rules are not normally broken "out of the blue." Indeed, finding the right rule-breaking strategy is a complex activity that will always be fraught with a measure of uncertainty. Precisely because the success (or failure) of a strategy may only become apparent in the long run, most risk-averse decision-makers try to avoid breaking the ground rules that prevail in their industry, preferring instead to toe the line."

quinta-feira, março 12, 2009

Pós-Graduação Gestão das Organizações e Desenvolvimento Sustentável

PGGODS.

Gestão Ambiental e Ecoeficiência.
.
Não esquecer a palavra-chave.

Acetatos: parte V e parte VI.
.

Trabalho final.

A agricultura com futuro

Há anos li um livro intitulado 'The Design of the Factory With a Future', sempre me ficou na memória esta particularidade 'a fábrica com futuro' não 'a fábrica do futuro'.
.
Quando penso na agricultura competitiva com futuro em Portugal, penso na agricultura que não aposta nas grandes extensões e que não aposta em emular as produções cerealíferas da Europa Central, por agricultura com futuro entendo uma actividade económica rentável que não precisa de subsídios.
.
Nessa agricultura com futuro, organizada como uma empresa, os comerciais venderão medicamentos naturais, venderão saúde e não comida. Argumentarão com o colesterol e com os antioxidantes "SPOONFULS OF STRAWBERRIES HELP THE CHOLESTEROL GO DOWN".
.
Nessa agricultura com futuro, a produção não dependerá exclusivamente de São Pedro e de fazer figas com os dedos. A produção continuará a depender em parte de São Pedro, e essa é uma vantagem do nosso país, mas dependerá também de técnicos que em vez de apostarem nos instrumentos financeiros ou na imobiliária, escreverão e estudarão artigos deste calibre "Infuence of harvest date and light integral on the development of strawberry flavour compounds".
.
Claro, quanto mais apoiada for a agricultura tradicional subsidiodependente, menos espaço haverá para que a agricultura com futuro floresça.

Retrato de um modelo económico que nos trouxe até aqui.

"Pela primeira vez, os bancos e as imobiliárias têm mais peso no PIB do que a indústria. Os economistas estão preocupados." (no Diário Económico de hoje)
.
Quando nas acções de formação e aulas que animo apresento uma imagem de um mega-meteorito a atingir a Terra, no âmbito do tema 'Não há acasos', para ilustrar as pessoas que olham com estupor para os resultados do desempenho de uma organização como algo de perfeitamente inesperado ... estavam à espera de quê?
.
Estava escrito nas estrelas, basta estar atento aos factores, perceber como se relacionam entre si e que estruturas sistémicas, que arquétipos, estão em jogo, para identificar meia-dúzia de resultados, de consequências prováveis.
.
No entanto, não nos cansamos de encontrar nos media, vestais horrorizadas que não sabiam, que não conheciam, que não faziam ideia, que ...